17 março, 2008

COMO CONSTRUIR E MANTER UMA REDE DE RELACIONAMENTOS SAUDÁVEL

Wagner Ferreira

Aquele que procura alavancar carreiras, gerar novas oportunidades de negócios e novos projetos, deve saber como dar manutenção a sua rede de contatos. Na área de venda, por exemplo, o melhor profissional desta área não irá muito longe se não tiver a quem vender, ou contatos para prospectar. Um candidato a um cargo público é da mesma forma.
É imprescindível para quem lida com pessoas construir uma boa rede de relacionamentos e aplicar o networking, a mais poderosa ferramenta para troca de experiências e conhecimentos. Sabendo usar com parcimônia e-mails e telefonemas, seu trabalho será bem mais conhecido no meio em que atua, mas caso contrário pode transformá-lo numa “mala sem alça”.

O mestre em vendas pela International Training System (I.T.S.) Colgate N.Y. e instrutor motivacional Luiz Amorim, aconselha que para criar uma boa rede de relacionamentos deve-se sair do isolamento, abandonar a zona de conforto e prestar solidariedade através de trabalhos voluntários. Nessas ações se conhecem pessoas de espírito desprendido, que despertam valores nobres servindo de boas companhias, além de serem candidatos a compartilhar seus piores ou melhores momentos futuros. E para que os indicados por você a compor essa rede de pessoas possam realmente vir a contribuir em seu desenvolvimento pessoal, o também conferencista, Luiz Amorim, ensina como fazer para selecioná-los: “é impraticável manter uma rede de relacionamentos muito grande e dar a ela a atenção devida."

A globalização obrigou o homem esclarecido a ter a obrigação de conhecer e dominar os meios de contatos, e isso permitiu que as relações se estreitassem facilitando o entendimento entre os povos. Apesar de alguns conflitos de interesses econômicos perturbarem essa relação, o entendimento entre as pessoas se intensifica como peça fundamental para integração das nações. A jornalista Márcia Vergili viu a necessidade de se integrar de forma local, depois de chegar a Salvador.

A paulista de Sorocaba procurou emprego na Capital Baiana por dois meses, mas não obteve êxito. Logo não viu alternativa senão aceitar o cargo de estagiária numa agência de comunicação, mesmo sendo formada. Ela entende que é extremamente necessário se tornar conhecida no meio em que está vivendo recentemente, criando sua própria rede de relacionamentos. Esta árvore social certamente lhe renderá muitos frutos no futuro. “Vim para Salvador acompanhando o trabalho de meu marido, mas não consegui emprego na área por não ser conhecida aqui, o jeito foi começar do zero”, explica.
Postar um comentário