29 janeiro, 2007

MISTURAR É O QUE DÁ LUCRO

Festival de verão deixa de ser um evento segmentado para virar uma prévia do carnaval.

Wagner Ferreira

O show de Bem Harper talvez sirva de exemplo aos organizadores deste que é sem dúvida o maior evento de música do verão brasileiro depois do carnaval.

O cantor e surfista californ
iano foi uma das atrações internacionais que teve maior aceitação de um público que em sua maioria tem um gosto variado, que tendencia para o ritmo da Axé Music.


Já com o rapper de influência judaica, Matsyaho, e a cantora da Black Music americana, Gloria Gaynor, foi diferente. Isso aconteceu pelo fato da organização do evento distribuir os shows de forma aleatória misturando estilos musicais em todos os seus dias.

Mas um dos fatores que pode ter ajudado para que a apresentação de Bem Harper tenha sido melhor sucedida entre as três internacionais, é atribuido a sua influencia da musica Reggae, estilo bastante apreciado na Bahia.


Essa mistura de sons deixa de respeitar a individualidade de quem vai ao festival a fim de curtir seu artista preferido, tendo que antes ou depois ouvir estilos não condizentes com sua preferência.


Nas primeiras edições do Festival de Verão houve uma distribuição de ritmos mais democrática, trazendo atrações internacionais como Spy vs Spy, e Men at Work, com bandas do cenário alternativo brasileiro abrindo seus shows. Com isso, o público poderia escolher o dia que sua banda favorita tocaria, evitando ter que aturar um tipo de música que não fosse de seu gosto.


Está bem claro que a formula do Festival é a mesma do carnaval da Bahia; a de está lotado todos os dias, mesmo que isso cause um choque de culturas, seja ela pop, rock ou popular brasileira.

Pesquisa - Ainda nos primeiros três dias do evento a direção da festa promoveu uma pesquisa com o público. Os espectadores agiram de forma esperada, preferindo as atrações nacionais locais, às internacionais ou de outros estados.

É claro que esta pesquisa de nada vale, já que é feita num contingente de pessoas que vão ao festival com intenção primordial de curtir, independente do que esteja no palco.


Trata-se de um público com um percentual muito grande de turistas e veranistas, os quais vêem o evento como uma prévia do carnaval. Assim é de se esperar que o resultado da pesquisa indique preferência para as pratas da casa.

Leia mais: NADA SE CRIA, TUDO SE COPIA
Postar um comentário