27 maio, 2017

FOBIA POR SOLIDÃO

Quem tem pavor da solidão, por mais que tente se mostrar sereno, deixa claro o quanto a sua resiliência é falha ao demonstrar insegurança com o seu futuro no primeiro término de relacionamento. 

Apesar de essas pessoas dizerem que não têm medo de terminar suas vidas sozinhas, e que pouco se importam em ter filhos, pois eles não são certeza de companhia na velhice, são as que mais temem caminharem sozinhas nos últimos anos da sua existência. E lhe dão conselhos como se estivessem prontas; sem nada a aprender ou compartilhar, como um ser hermético, o qual traz em sua bagagem a experiência de muitas vidas, cumprindo a sua última viagem neste plano. Mas, não é nada disso. Talvez para poder ressoar sobre elas mesmas o que não praticam em suas próprias vidas. 

A maioria das pessoas acredita que ser feliz é ter um relacionamento, mas estar acompanhado não é sinônimo de felicidade. Ter um companheiro, ou necessitar da companhia de outras pessoas não garante alegria. Pessoas podem ser solitárias, apesar de estarem rodeadas de amigos. Maturidade é entender que a solidão pode ser algo positivo, mas um relacionamento vazio com certeza não é.


Estar sem uma companhia afetiva por um tempo e ter esta condição como um momento para refletir sobre a relação anterior, os motivos que levaram ao término e, quem sabe, compreender comportamentos condenáveis do ponto de vista moral da pessoa que fez parte dos seus dias, não é falta de amor próprio, pelo contrário, é a prova de o quanto você já se basta. 

Ausência de amor próprio é usar como muleta afetiva o primeiro que se conhece ao dobrar a esquina, ou numa mesa de bar. Essa fase deve ser aproveitada para conhecermos nossos limites, nos preservar e, nos dias em que a solidão for insuportável, lembrarmos de valorizar o quanto uma boa companhia nos nos transbordou, porque completo já somos. De saldo, só nos restará aprender com os erros para não falharmos novamente em um novo relacionamento que estar por vir em nossas vidas.

Postar um comentário